7 de julho de 2004

Um dia do ano

Hoje, 7 de Julho de 2004, foi somente mais um dia no extenso calendário do planeta terra. Muitas nuvens no Norte e vento forte no litoral sul. Como sempre fabricámos uma imensa quantidade de informação, de notícias, de tablóides e de efemeridades confinadas ao entretenimento. E porque a frivolidade também compõe a nossa esfera noticiosa ficámos a saber que os super malucos do riso ocupam o primeiro lugar do ranking de audiências e que alguns programas de culinária não respeitaram regras de higiene e cometeram 916 erros graves tendo o pior de todos eles sido a deficiente lavagem de mãos. Apesar disto, o mundo continuou a acontecer. Richard Starley Jr. (Ringo Star) comemora 64 anos no mesmo dia em que se celebra o início das emissões de televisão a cores nos Estados Unidos da América. Na bolsa de valores verificamos que o preço do petróleo subiu, acentuando a queda. No desporto, Ricardo Quaresma é apresentado como jogador do futebol clube do porto, Cristiano Ronaldo pretende ir aos jogos olímpicos e ficámos também a saber os números resultantes do Euro-2004. Para tristeza de todos aqueles que admiram as qualidades humanas de Henrique Mendes fomos também confrontados com a notícia que dava conta que o actor foi de emergência e em estado grave para o hospital. Que recupere depressa. A unicidade de cada dia do ano permite-me ficar continuamente surpreendido com algumas declarações: Almeida Santos, por exemplo diz que: “Cristo teria sido maçon, do PS e pela dissolução.” Em Inglaterra Tony Blair deixa-nos absolutamente perplexos ao estranhamente desconfiar da não existência de armas de destruição maciça no Iraque: “Todos os serviços secretos e todas as provas que tínhamos apontavam que as ADM existiam”. Para cessar utopicamente este universo que chega até mim em constante metamorfose, em cada palavra, uma última para o burlesco estado da nação. De um lado o equilíbrio pelo poder, do outro as investidas pela mudança. Alguém ponha fim a isto.

4 comentários:

Ramon Joy disse...

E o pão-nosso de cada dia que nos daí hoje…
Venha a nós o Vosso Reino, seja feita a vossa vontade…

Não vos lembrais dele!

Anónimo disse...

Será que não há um ponto de vista mais alegre? Ou temos que fazer um novo Euro?!

emptiest disse...

Será que não há um ponto de vista mais alegre? Ou temos que fazer um novo Euro?!

emptiest disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.