6 de novembro de 2004

Deste lado sozinha

Às vezes dói-me a alma, o coração. E são feridas que sinto como se caísse pesada num chão calejado…
E dói-me como uma chaga que custa a desvanecer e a perder-se na pele e no corpo e no tempo, como a doença que acompanha uma vida, um momento. Um instante que chega para magoar.
E não há cura para a dor da alma. E o coração não se preenche sozinho, não aquece nem ganha cor por si mesmo…
Estou doente. E a minha ferida não sabe sarar, não consegue, e a minha alma esqueceu-se de percorrer sozinha a cura e a vida.
E o desespero, a angústia, o medo, a confusão, alimentam a melancolia da alma triste e tão imensas vezes sozinha. Com medo de se acamar sozinha, fria… numa só almofada, de um só lado da cama…

9 comentários:

stillforty disse...

Ás vezes dói-me a alma, também a mim por não poder fazer tanta coisa que quero, mas coragem não me falta.
Verdade!
Gostei de te visitar e do que li.
Volta!

mfc disse...

Nunca estamos sózinhos!
Pensar isso é claudicar.

Márcia disse...

Pior é que, nessas horas, pouco há a faer senão tentar dormir.

lady-bird disse...

É uma dor que nos causa uma sensação de impotência, mas julgo que nunca devemos desistir de a combater. Eu procuro sempre não deixar que se dê um nó no meu peito e quando nada posso fazer para o evitar, choro sozinha e depois procuro um amigo, uma estrela. Há sempre um momento brilhante - talvez demasiado simples para que nos apercebamos dele - que nos faz sorrir e nos liberta a alma e o coração, dando-lhes uma nova dimensão dentro de nós.

whiteball disse...

Apenas ...para desejar uma boa semana.

BlueShell disse...

Bewm sei do que falas; conheço a sensação!bjs

Anónimo disse...

Olá...

http://eueaminhasombra.blogspot.com

despassarada disse...

mas às vezes essa dor também nos dá forças para continuar...

LetrasAoAcaso disse...

A solidão forçada é talvez o pior dos sentimentos corrosivos.
Felicito-te apesar de todo esse desespero porque produziste um texto de rara qualidade.