27 de junho de 2005

Eu, a experiência em mim

Deixa-me chorar e ser fraca, gritar porque sim, perder-me em mim. Deixa-me cansar-me com os meus movimentos, com os meus passos, correrias, e caminhos sem fim. Deixa-me viver na inocência de quem sonha, de quem acredita, de quem espera, de quem quer mais e mais. Deixa-me ser criança hoje, deixa-me dormir um pouco em mim. Rir sem porquê. Cantar sem ter voz. Correr em espaços fechados. Saltar em tectos baixos. Deixa-me divagar, esquecer, relembrar, vaguear, perder-me, errar, sentir as feridas. Deixa-me ser a gente comum, sem pensar, calcular. Deixa-me ser eu, só eu. Às vezes nada que quer simplesmente ser nada… Calada, silenciosa, muda, desequilibrada, extravagante, demente, histérica. Deixa-me ser tudo o que posso ser, criança adulta, mulher, filha, neta. Ser o que posso e o que não devo, amar desesperadamente, desprezar, querer o irrealizável, viver na utopia porque tenho esse direito, porque vivo uma vez, sem tempo para perder os enganos e as decepções e as alegrias previstas e arrebatadoras. Deixa-me crescer e viver porque sou em mim a experiência e a vida que quero ter.

7 comentários:

O Micróbio disse...

A pergunta que faço é: E tu deixaste?... :-) Fenomenal monólogo!

Rute disse...

Nada mais preenchedor do que a liberdade do mergulho em nós mesmos, sem estarmos encarcerados nos olhares dos outros

gsf disse...

E assim voam as verdadeiras asas
Assim ascende o ser
Não cabe a alguém deixar
Pois em nós nasce a vontade

Está em nós a liberdade e a amarra
Que conduz à evolução

celeman disse...

o grito "silencioso" é uma experiência em nós...

The_king_has_dieD disse...

simplesmente... lindo...

indie girl disse...

devemos lutar por aquilo em que acreditamos..devemos ser o que queremos e demonstrar que é ixo que nós keremos..nunka desistir e lutar para xegarmos ao fim satisfeitos do que fomos e do que fizemos..beijo

catarina disse...

sim... ser tudo ao mesmo tempo sem que nada nos obrigue a professar uma qualquer fé... lindo!