3 de junho de 2006

mais nada se fez

Só foram ditas palavras ao longo de todo este tempo. Mais nada se fez. Mais nada coube no nosso espaço. Mais nada aconteceu.
Esperei por gestos. Aguardei até as forças serem de menos para o corpo que tu viste.
E o corpo cansou-se.
Quase mais do que a minha alma, porque me esqueci tanto dela. Deixei-a ir primeiro, com a facilidade com que se esquece alguém.
Só foram ditas palavras, só se fizeram palavras.
E as nossas mãos deixaram de se sentir.
Perderam-se num entrelaçar mentiroso que criámos juntos.
Também o teu corpo se cansou e deixaste cair a tua mão exausta, só em ti.
Só as palavras que doem mais do que os gestos foram ditas e se fizeram.
Cansámo-nos os dois.