4 de janeiro de 2007

...

Toque. Por dentro.
No corpo. Físico. Real.
Nas mãos a vontade,
E um grito alto que se contém
em gentil esforço
e num silêncio a dois
que fica um.
Fica só um.
No ar uma respiração alta
e surda
Um respirar que deixou de ser
o essencial
Não há fôlego nem ordem
e cansa-se na fraqueza de amar.
Respira-se mais agora
silencia-se mais o espaço,
tapa-se a boca
Grita-se por dentro
…e ama-se imenso
Por fora
e por dentro
e por todos os lados.
Encontra-se o sorriso
e as rugas que também se deitam
nos vincos da cama
doida e desarrumada.
E depois ama-se.
Há o olhar e há o corpo junto,
há mãos que não se separam
e há o respirar que acompanha
o coração
e adormece.
Próximos. Juntos. Reunidos.
A sentir o que se sente
Quando se está perto
Do corpo e da alma:
Tacto.

1 comentário:

observadora - Brasil disse...

MAF, descobri essa página por acaso, se é que existe acaso, desde então sempre entro na expectativa de ler novos textos...gosto muito da maneira como vc escreve, me identifico com suas palavras em muitos momentos.